terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Sibutramina: proibida na Europa

Gente, bom dia!!!
Que calor maravilhoso hein??? Só espero que o final da tarde não seja aquele dilúvio como está sendo ultimamente aqui em São Paulo, né???
O acampamento da ADJ - Unifesp foi fantástico!!! Realmente vivenciar a contagem de carboidratos com as crianças, monitores e profissionais com diabetes tipo 1 foi uma experiência excepcional! Como lá eu tinha um acesso rápido aos e-mails e à internet de maneira geral, acabei sabendo apenas ontem (segunda feira) sobre a proibição da "sibutra" na Europa... e isso é um tremendo BABADO!!!
Como eu atendo muita obesidade clínica e cirúrgica, tanto na Unifesp como nos consultórios, eu vejo muuuuitos pacientes tomando sibutramina para auxiliar na perda de peso.... e eu acredito que a proibição seja uma tendência mundial!!!! Vale lembrar: o Brasil é o país líder no consumo de remédios para perder peso....
No entanto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que ainda não é certo que a proibição da sibutramina chegará ao Brasil. As autoridades brasileiras primeiro vão analisar o estudo que embasou a decisão da Agência Européia de Medicamentos (Emea) para decidir qual medida sanitária será implantada no País.
No Brasil, apenas a sibutramina anidra teve sua comercialização proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), por não apresentar estudos que comprovem sua eficácia; atualmente temos apenas o cloridrato monoidratado de sibutramina, mas isso não é de agora!
A sibutramina foi banida das farmácias européias com a alegação de que aumenta os problemas cardíacos nos usuários.

A Emea utilizou as conclusões do estudo chamado de Sibutramine Cardiovascular Outcomes Trial (Scout) para justificar a proibição. Durante seis anos, 10 mil usuários de sibutramina foram acompanhados e os autores afirmam ter diagnosticado aumento de infartos e derrames entre eles. Os riscos do produto, vedete da indústria farmacêutica para o emagrecimento, foram classificados como maiores do que os
benefícios.
Relatórios norte-americanos apontaram que 11,4% dos usuários de sibutramina morreram ou tiveram paradas cardíacas severas.
Já o posicionamento da ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica) sobre o estudo Scout se baseia no fato de que esse estudo foi feito com indivíduos acima de 55 anos e com alto risco cardiovascular. Por isso, as conclusões deste estudo não se aplicam a todos os outros indivíduos obesos mais jovens e que precisam emagrecer.
A Anvisa promete para fevereiro a divulgação de um parecer sobre o assunto, após análise mais detalhada de uma câmara técnica. A partir daí, fará sua escolha: mudar a bula do medicamento, criar um melhor controle sobre a emissão de receitas ou, em último caso, decidir pela proibição.
Vamos aguardar.... o que é importante saber é, caso a sibutramina seja realmente proibida no Brasil, nossos pacientes precisarão encontrar rapidamente medidas alternativas para auxiliar no controle da fome/aumentar a saciedade, que juntamente com um plano alimentar adequado, podem sim combater de maneira eficar o excesso de peso.
Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário