quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Óleo de Cártamo: o que é isso? Ajuda a emagrecer?

Pois é pessoal, feriadinho safado foi esse né??? Mais choveu do que qualquer outra coisa!!! E o pior... vai chegando o meio da semana útil, o tempo vai melhorando e quando chega sábado... chuuuvaaaaaaaa!!! Mas não vim aqui pra dar uma de moça do tempo...

Bom, fui questionada muito ultimamente sobre o óleo de cártamo e a gordura de coco (né Ju???)  para perder peso e reduzir medidas... vamos por partes! O óleo e a gordura de coco ficam para uma próxima!!!
Hmmm... imaginem que ao vermos as propagandas por aí estamos de frente a mais um produtinho milagreiro! Algo totalmente natural que ajuda na queima de gordura, reduz o apetite e combate o colesterol ruim!!! Nossa, pra quê nutricionista neste mundo! Problemas resolvidos! Pois é pessoal, são com esses apelos que vemos que o óleo de cártamo ganha cada vez mais consumidoras em busca do corpo perfeito sem muito esforço....

Pra quem desconhece, o cártamo (Carthamus tinctorius) não é lançamento nem mega novidade! Existem relatos que ele seja cultivado há mais de 2 mil anos. O óleo é então extraído da planta, que tem altos teores de óleos em suas sementes. Além de ser conhecida como cártamo, é chamada de açafrão-bravo e açafroa, açafrão-bastardo ou açafrão-agreste.

Outra pra quem não sabe: o Óleo de Cártamo de hoje é o CLA de ontem!! Calma que eu explico! A sigla CLA significa Conjugated Linoleic Acid ou Ácido Linoleico Conjugado. No Brasil, a ANVISA proibiu a venda de CLA sintético, estando autorizada a venda de óleo de cártamo. Pra entender melhor: o Óleo de Cártamo não possui Ácido Linoléico Conjugado (CLA) em sua composição. No entanto, esse óleo é uma matéria-prima utilizada para produção sintética de CLA devido à quantidade elevada de ácido linoléico (ômega 6).

Quando visitamos o site da Anvisa com mais afinco, percebemos que, por não haver comprovação da segurança de uso e eficácia, o CLA não é permitido em alimentos no Brasil desde 2007. Já o óleo de cártamo entra em uma outra categoria: é um óleo vegetal com registro obrigatório junto à Anvisa, sendo enquadrado na categoria de Novos Alimentos ou Ingredientes. Essa categoria abrange alimentos sem tradição de consumo no país.
A Revista Women's Health foi muito feliz em publicar uma reportagem a respeito do Óleo de Cártamo:
A realidade, é que não há estudos ou pesquisas que comprovem sua capacidade emagrecedora. “Uma vez que esse tipo de produto não é vendido como remédio, mas sim como alimento, as empresas se sentem à vontade para atribuir a ele as mais variadas propriedades terapêuticas”, afirma Marcio Mancini, presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.
A estratégia de marketing adotada por empresas que comercializam o suplemento vai contra a determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo o órgão, o produto não pode ser rotulado de propriedade funcional ou emagrecedora. Essa argumentação é considerada infração sanitária, com penalidades que variam de notificações a multas de até 1,5 milhão de reais.


Bom, não vou ser advogada do diabo e falar que nada presta e nada funciona nesse mundo... uma coisa é fato: existe sim muita propaganda sensacionalista que vai de encontro com o sonho de qualquer brasileira que queira perder a pochetinha sem gastar uma gotinha de suor! Mas olha: achei um estudo de 2009, publicado na The American Journal of Clinical Nutrition, uma das revistas científicas de Nutrição mais respeitadas no mundo comentando sobre o uso do CLA e do Óleo de Cártamo na interferência da composição corporal em mulheres obesas na pós-menopausa com diabetes mellitus tipo 2 >> Comparison of dietary conjugated linoleic acid with safflower oil on body composition in obese postmenopausal women with type 2 diabetes mellitus.


E olha, até que foi um estudinho bem feito: estudo de 36 semanas cruzado, randomizado e duplo-cego, com 55 mulheres obesas na pós-menopausa com diabetes tipo 2 que receberam 8 g de óleo/dia (do CLA ou do Cártamo), durante dois períodos de 16 semanas separados por um período de "washout" ou "descanso" de 4 semanas. Dentre os resultados do estudo, o óleo de cártamo não surtiu efeito sobre o IMC ou massa adiposa total, mas reduziu significativamente a massa adiposa da região do tronco e auxiliou no aumento da massa magra. O óleo de cártamo auxiliou significativamente na redução da glicemia de jejum.

Só achei meio estranho não reduzir massa adiposa total, mas reduzir na região do tronco (ou região abdominal)... será que a mulherada ganhou gordura nas coxas e nos quadris???? Discussões à parte, de uma coisa eu sei: monitoramento de enzimas do fígado e exames de sangue em quem faz uso do produto.
Já conversei com amigas nutricionistas e realmente podemos ter alguns efeitos colaterais, como a redução do colesterol bom (HDL) em indivíduos com síndrome metabólica (dislipidemia, hipertensão).

Parcimônia, uso orientado e acompanhamento com profissional de saúde é fundamental...  

Fontes:
Norris LE, et al. Comparison of dietary conjugated linoleic acid with safflower oil on body composition in obese postmenopausal women with type 2 diabetes mellitus. Am J Clin Nutr. 2009 Sep;90(3):468-76. Epub 2009 Jun 17.

http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2009/160209_1.htm
http://revistawomenshealth.abril.com.br/edicao/021/dieta-milagre-da-vez-02.shtml
http://bardoboris.blogspot.com/2011/01/oleo-de-cartamo.html
http://www.fisiculturismo.com.br/newsletters/materias/cla_oleo_cartamo_omega_6_cl_la_gordura.php
http://www.tretando.xpg.com.br/o-que-e-oleo-de-cartamo-ou-cla-e-indicacoes-para-emagrecimento/
http://mdemulher.abril.com.br/dieta/reportagem/dietas/tudo-sobre-capsula-cartamo-que-faz-emagrecer-473992.shtml

5 comentários:

  1. Leu meu pensamento, ia te perguntar do dito.

    ResponderExcluir
  2. Eu hein Dani, rsrsrsrs... como eu disse no post mesmo, estou criando coragem (e mais conhecimentos) sobre esse óleo de coco, gordura de coco pra emagrecer... w8 and see... Beeijos!

    ResponderExcluir
  3. Acho que o ideal é fazer uma boa atividade física, ter uma alimentação saudável com alimentos integrais e menos refinados, evitar excessos.

    Infelizmente somos levados a crer que um corpo sarado é sinônimo de ser/ estar saudável, mas na verdade esse corpo sarado, marombado de academia foi conquistado com anabolizantes, essas novas bombas do mercado.

    ResponderExcluir
  4. oi, Amanda. Tudo bem? Ótima leitura foi seu comentário sobre o óleo de cártamo. Estou buscando informações pois tenho medo de tomar LA e me dar mal. Uma pergunta: vc conhece alguma nutricionista aqui no Rio de Janeiro que tem uma linha de conduta similar a sua? Fico no aguardo. Em SP onde consulta? Tb vou pra aí com frequencia. Alexandra.

    ResponderExcluir
  5. Poxa Alexandra, não conheço ninguém aí no RJ para te indicar que tenha a mesma "linha de pensamento" que eu.... vou ficar de te devendo essa, viu??? Caso vc tenha um "surto" e resolva "cair" aqui em SP novamente, atendo na Vila Mariana, perto do Metrô Santa Cruz!!! Qq coisa no cabeçalho do blog tem o telefone e o endereço!!! Abraços!

    ResponderExcluir