quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Ar + Comida é = a menor ingestão alimentos, aerofagia ou apenas o segredo dos shakes????

Buenas noites!!! Calor dos infernos, afeeee!!! Se isto é La Niña, efeito estufa, verãozão eu não sei, só sei que está sofrível dormir e trabalhar nesse calor, nossa nossa!!!!
Bão, essa semana estava lendo a revista "Ana Maria", quando me deparei com a seguinte nota: "Para enganar a fome, basta pedir ou fazer uma bebida bem espumante, como uma vitamina ou shake. A espuma ocupa o dobro de espaço no copo e tem metade das calorias".
E não é que a revista está certa?????

Antes de mais nada, vamos iniciar com a aerofagia: pra quem não manja do termo, aerofagia nada mais é do que engolir ar em demasia... ou deglutição excessiva de ar. Comer rápido demais, beber muito refrigerante ou mascar muito chiclete podem provocar a tal aerofagia. A pessoa com aerofagia muitas vezes arrota demais (realmente o ar que entra tem que sair.... seja por cima ou seja por baixo!!!!); ou seja: o paciente também pode ter distensão e dores no abdome, além de flatulência...

Mas o que a aerofagia tem a ver com a menor ingestão de alimentos??? Como a própria nota da revista disse, o ar incorporado em shakes ou vitaminas ocupa espaço, diminuindo a ingestão de alimentos e consequentemente a ingestão calórica.

E olha: esse assunto não é novo não!!! Em meados de 2000 foi publicado um artigo bem legal na revista científica American Journal of Clinical Nutrition (a revista científica queridinha das nutris) comentando exatamente sobre o assunto: "Aumento do volume de uma refeição por incorporação de ar e seus efeitos na saciedade de homens" - Increasing the volume of a food by incorporating air effects satiety in men.

O artigo comenta que alguns estudos prévios mostraram que o aumento do volume dos alimentos por adição de água pode levar a uma redução do consumo de energia, mas nunca havia sido estudada a questão AR sobre a saciedade.
Foram avaliados 28 homens magros por 4 semanas, onde eles recebiam um milk shake antes das refeições com o mesmo valor calórico, porém com volumes diferentes devido ao resultado da incorporação de quantidades diferentes de ar: ou seja, todos tomavam 500 calorias, mas com volumes de 300, 450 e 600 mL.
Resultado: o volume do milk shake de fato alterou significativamente o consumo de energia no almoço daqueles que bebiam 600 mL de shake comparado com aqueles que tomavam 300 mL de shake... ou seja: quem tomava o shake de 300 mL tomava 500 calorias e ainda almoçava mais do que o pessoal que tomava 500 calorias no shake de 600 mL...
Houve uma grande redução da fome nos homens que tomavam shakes de 450 e 600 mL quando se comparou àqueles que consumiam o shake de 300mL!!!
Abaixo há a versão visual de tudo isso que foi dito:


Em preto vemos o consumo dos shakes e em listradinho o consumo de comida... a ingestão calórica de da comida foi reduzida de forma signicativa quando comparamos o controle (no preload) com a ingestão calórica das pessoas que tomavam shakes e comiam comida (deu pra entender?). 
Todos os shakes tiveram diferenças estatísticas entre si: ou seja, quem tomou 450 mL teve um consumo alimentar estatisticamente menor do que quem tomou 300 mL e o mesmo ocorreu com os homens que tomaram 600 mL quando comparamos com 450 mL e 300 mL.

Ou seja: alterando o volume com a incorporação de ar, temos uma redução de ingestão alimentar!!! E isso não depende da densidade calórica: ou seja, o alimento pode ter poucas calorias, mas ser grande, cheio de ar... e a gente vai se sentir mais satisfeito!!!! E o contrário também é válido: ou seja, podemos ter um alimento pequenininho, sem ar, mas cheeeeio de calorias que podem não encher a nossa barriga... querem um exemplo???? Chocolate....

Vou inventar um master shake ou quebrar minha cabeça para colocar mais claras em neve nas sugestões de preparações para meus pacientes... assim a barriga enche e a ingestão alimentar diminui... rsrsrsss.....
Taí porque os shakes para perder peso são shakes... além das fibras que os produtos possuem, existe um monte de ar dentro.... hmmmm.......... mas o único problema é que o esvaziamento gástrico é relativamente mais rápido do que um alimento sólido, mas isso são cenas para outros capítulos...

Fonte:
Rolls BJ, Bell EA, Bell, Waugh BA. Increasing the volume of a food by incorporating air affects satiety in men. AJCN, Vol. 72, No. 2, 361-368, August 2000.