sábado, 20 de agosto de 2011

Toddynho Light

Oi pessoal, tudo bem????

Estava subindo o elevador há algumas semanas com uma amiga quando vi que ela estava tomando Todddynho Light... daí perguntei: “Amiga, posso ver esse Toddynho Light?”
Como ela TAMBÉM é nutricionista, ela já logo deu a letra no melhor "estilo nutricionês": "olha, esse aqui é light mesmo, 50% menos calorias do que o Toddynho convencional! Só 92 calorias"!!!


Poxa, a curiosidade bateu e eu tive que conferir o sabor!!! No final de semana, fui até o supermercado e comprei o bendito Toddynho Light. E, sinceramente, acho que ele cumpriu seu papel! O sabor é bem agradável e, quando comparamos com os achocolatados prontos para beber convencionais, ele realmente tem cerca de 50% menos calorias! Mas atenção: o produto deve ser consumido com cautela pelos pacientes com diabetes, pois das 16 gramas de carboidratos que o bichinho tem, 13 são de açúcares.... é, concordo que o produto ainda tem uma quantidade de açúcar alta, mesmo com essa redução de 25%, mas ao menos existe uma redução de gordura saturada...

Só para relembrar: em 2006, a PepsiCo (fabricante do Toddynho) já tinha lançado um produto similar, o Toddynho Fit, vocês lembram dele??? O produto tinha 130 calorias e 0% de gordura, mas pelo jeito não “pegou” e ficou pouco tempo no mercado. Já o Toddynho Light está alinhado ao compromisso global da PepsiCo, de reduzir em 15% a quantidade de gordura saturada dos produtos de suas principais marcas até 2020.

Afinal das contas, de acordo com a POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) de 2008-2009, a desnutrição cai e o peso das crianças brasileiras ultrapassa padrão internacional!!!! Em 2009, uma em cada três crianças de 5 a 9 anos estava acima do peso recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O excesso de peso e a obesidade são encontrados com grande freqüência, a partir de 5 anos de idade, em todos os grupos de renda e em todas as regiões brasileiras.

Sempre é bom parar para pensar....

Fontes:

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Queijo de Cabra: é bom?

Oooooopa!!!
Podem xingar, viu??? Mais de mês sem dar as caras por aqui!!! Que vergonha....
Bão, pelo menos estou com dois posts pra colocar aqui essa semana!!! Não que com isso eu vá me redimir ou coisa do gênero, mas pelo menos as idéias estão passando pela cabeça e não estão se perdendo por aí!!!!
Há algumas semanas, um paciente meu me perguntou detalhes do queijo de cabra.... daí danou-se!!!! Poxa, não dá pra saber de tudo dessa vida de alimentação na ponta da língua né???? Fiquei devendo essa informação para ele... e cá estamos, pra falar do queijito de cabra!!!!

Em tempo: pros chiques, que possuem muita elegância e sofisticação e que comem queijo feta, estão comendo queijo advindo de leite de cabra ou de ovelha!!! O feta é a variação mais conhecida de queijo feito com leite de cabra.
Bom, o queijo feta é de origem grega, elaborado a partir do leite de ovelha ou da mistura dos leites de ovelha e cabra. É um queijo envelhecido, normalmente produzido em blocos, com uma textura levemente granulada. É servido como queijo de mesa, em saladas, empadas, tortas e outros alimentos assados, em especial aqueles com massas folhadas.

A partir do ano de 2005 o feta passou a ser uma denominação de origem controlada na União Européia, e definido como tendo pelo menos 70% de leite de ovelha com o restante de cabra. Esses animais vivem em regiões montanhosas e se alimentam de arbustos e ervas aromáticas (que chiqueza!!!), o que confere um sabor peculiar ao queijo. Seu processo de maturação natural faz com que a lactose seja totalmente eliminada pela cultura de lactobacilos utilizados na produção do queijo >>> ou seja, os intolerantes à lactose podem consumir o feta sem problemas!!! O uso de conservantes não é permitido na produção deste queijo.

 
Ah, e outros queijos, particularmente os queijos maturados como Pecorino e Katschkawalj, contêm pouco ou nada de lactose!!! Ou seja, como eu já disse em outro post mais antigo, os queijos naturais, maturados, podem ser digeridos por muitos intolerantes à lactose. Durante o processo de fabricação do queijo, a maioria da lactose é drenada com o soro. A quantidade restante no coalho é modificada a ácido láctico durante a maturação (ou envelhecimento) do queijo. Somente quantidades traços de lactose permanecem. Queijos com baixo teor em lactose são também boa fonte de cálcio. Por esta razão, queijo é uma importante fonte concentrada de muitos nutrientes encontrados no leite.
E pra completar: os produtos queijeiros derivados do leite de ovelha não têm, geralmente, sabores amargos! Ou seja, os queijos de cabra são ou não são uma boa opção?????  

A França é o país onde se fabrica a maior variedade de queijos de leite de cabra. Uma grande parte destes queijos são exportados para diversos países.
A partir da década de 1970, diversos trabalhos foram feitos no Brasil, visando à substituição do queijo de cabra importado por similares nacionais, através da adaptação de tecnologia. Assim, diversas fábricas de pequeno porte foram implantadas, para a produção de queijos finos de leite de cabra. Naturalmente, já existia produção de leite e queijos de cabra no país, porém, estava concentrada na região Nordeste, tratando-se apenas de queijos regionais não-mofados, vendidos frescos ou semicurados. Na região Sudeste passou-se a fabricar, principalmente nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, queijos maturados por fungos, especialmente os tipos Chabichou e Sainte Maure.


O leite de cabra possui várias características especiais, mas vou citar apenas duas, que são relevantes do ponto de vista de produção de queijos e do ponto de vista nutricional também:
- menor teor de proteínas do que o leite de vaca (em média 2,82% x 3,2%);
- maior teor (1,35 g/L) de cálcio do que o leite de vaca (1 ,25 g/L).

Uma fatia de 30 gramas de queijo feta tem cerca de 90 calorias!!!! Não podemos esquecer que é um queijo com baixos níveis de gordura!!!!

Será que eu consegui tirar as dúvidas do meu paciente???? (Abraços Fabrício!!!)

Fontes:
http://www.casadaovelha.com.br/index.php?id=pt&se=16&ln=52